Segunda-Feira, 25 de Maio de 2020

Mato Grosso

Quarta-Feira, 05 de Fevereiro de 2020, 07h:58

IMPUNIDADE

Inércia do TSE resulta em impunidade e Medeiros quer voltar ao Senado

O processo de Selma tramitou celeremente no TRE e no TSE, diferente do processo de Medeiros, que durou 8 anos

Jô Navarro

Reprodução

Senadora Selma Arruda e o deputado federal José Medeiros

José Medeiros, deputado federal pelo Podemos-MT, o mesmo que teve o mandato de senador cassado pelo TRE em 2018 por falsificação da ata da Coligação Mato Grosso Melhor pra Você, em 2010, quer voltar ao Senado.

Apesar de reconhecer a decisão do TRE-MT, o ministro Og Fernandes, relator no TSE, procastinou o julgamento. Quando decidiu, o mandato de senador, cassado, já estava terminando."É certo que houve o transcurso de 8 anos desde a data em que a fraude teria sido perpetrada, pois vinculada às Eleições de 2010. Assim, é certo que o prazo decorrido torna sem efeito eventual decreto condenatório, mormente porque, além de ter sido concedido efeito suspensivo ao recurso sob análise, em possível próximo registro de candidatura não subsistirá qualquer consequência relacionada aos fatos tratados neste processo."

A perícia realizada pela Polícia Federal confirmou a fraude na ata da coligação, o que levou à decisão unânime que cassou o mandato de Medeiros em julho de 2018. O TSE, se tivesse cumprido seu papel, teria feito justiça, mesmo que tardia, e o legítimo senador diplomado, Paulo Fiuza, teria sido empossado senador, ainda que por pouco tempo.

A fraude confirmada enfraqueceu o apoio político e José Medeiros não conseguiu viabilizar sua candidatura ao Senado em 2018. Foi eleito deputado federal e agora consegue convencer os líderes do Podemos, entre eles Alvaro Dias, que é o melhor candidato para suceder Selma Arruda, que teve o mandato cassado em poucos meses.

Leia também: 

Juiz condena Dorte e pede apuração de falso testemunho de José Medeiros

Defesa de Fiuza cobra do TSE julgamento da cassação de José Medeiros

O processo de Selma tramitou celeremente no TRE e no TSE, diferente do processo de Medeiros, que durou 8 anos e não resultou em nenhuma punição para o autor da fraude que alterou a ordem de suplentes na chapa de Pedro Taques e usurpou o mandato de Paulo Fiuza.

 

 

1 COMENTÁRIO:

Até pra fazer matéria comprada tem que ter limite. Paulo Fiuza devia aproveitar a velhice é o espaço que lhe foi reservado na história de Mato Grosso: nenhum.
enviado por: Marcelo em 05/02/2020 às 09:51:59
0
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO